Arquivo do extinto blogue Esferovite- a vida em pedaços (13-08-2003/ 4-01-2006)

sábado, maio 14, 2005

vou deixar de fazer perguntas retóricas

quando um dia a vida morre, a morte morre também. oiço isto e algo mexe cá dentro. devagar, devagarinho. quando um dia a vida morre. sim. como é que fica o mundo? como é que fica a minha sala? penso nisto e vou à procura de a surpreender, surpreender a minha própria morte. gostava que fosse possível. gostava que tanta coisa fosse possível.

às vezes consigo sair do meu corpo e ficar a olhar-me de fora. vejo a minha cara, as minhas mãos, o meu peito, assim fora de mim. às vezes consigo voar por cima de cidades inteiras. se eu morresse e saísse, assim, de mim, o que é que eu poderia ver? será que não vem alguém e apaga a luz? fico a pensar nisto. a sair do meu corpo.

a morte morre também, a morte morre também. isto dito assim deveria tirar-me as esperanças. pode-se experienciar uma coisa morta? havia um tipo, na aldeia do meu pai, que diziam que escavava campas para amar os corpos dos mortos. isso é experienciar uma coisa morta? não sei. não sei. se eu saísse mesmo do meu corpo e me deixassem voar. mas também, quem é que deixa?pois.

4 comentários:

Bellatrix disse...

oh..nunca deixes de as fazer..às vezes o mais importante nem é a resposta, é a própria pergunta..*

Carla disse...

Às vezes nós é que não acreditamos que temos asas e ficamos à espera que alguém diga que sim, que repare nelas para acreditarmos. Só nessa altura é que arriscamos voar. Nunca percas as asas. São o teu sonho, não são? Beijo grande.

mylostwords disse...

Gostei realmente deste teu texto.
Fizeste-me lembrar determinadas coisas e e criaste uma e outra imagem que tão cedo não saem daqui.

Beijo, Luís.

Maria

Anónimo disse...

eu gostava de pegar nas minhas asas e voar. uma viagem sem regresso...

Arquivo do blogue