Arquivo do extinto blogue Esferovite- a vida em pedaços (13-08-2003/ 4-01-2006)

quinta-feira, abril 14, 2005

portas abertas

temos que deixas as portas para que a casa fique arejada. no tempo das portas fechadas havia bichos feios por todo o lado. a casa cheirava mal e era fria, tinha esqueletos e pó. temos que deixas as portas abertas. para que o vento passe, de uma ponta à outra, para que as histórias aconteçam, para que se veja quando sentimos. as portas abertas.

vamos deixar as portas abertas para que se veja o antes, o durante e o depois. para que as pessoas possam sair e, sobretudo, entrar. para que fique molhado quando chove, para que fique brilhante quando está sol. as portas abertas. para se sentir todo o tempo que acontece. e ser mais fácil saltar, correr, brincar.

as portas assim abertas. e depois vai cheirar bem, vai cheirar a dia de dia e a noite de noite. e depois as pessoas vão ver tudo. entrar e sair quando quiseres. sentir o que se sente dentro de portas. as portas assim abertas. sem esqueletos, sem pó. temos e vamos ficar assim, de portas abertas. para ser mais fácil.

1 comentário:

F. Lopez disse...

As portas abertas, sim, para o além mar... Beijos, amor meu.