Arquivo do extinto blogue Esferovite- a vida em pedaços (13-08-2003/ 4-01-2006)

sábado, abril 02, 2005

horas

não sei que horas são, só sei que estás à minha porta, a tocar à campainha, muito muito, sim, a tocar até me acordar, até me acordar e depois tirar-me da cama, pois, não sei que horas são, é de noite, sim, a dormir, eu, pois, não sei, tu lá fora, a tocar, a tocar, a tocar, eu aqui, no quentinho da cama, e tu lá, a tocar, não sei que horas são.

eu estava a sonhar, estava, estava a sonhar com qualquer coisa que não me lembro, a pensar numa dessas coisas que nunca se pensa quando se está acordado, e tu, tu, tu a tocar, a tocar, a tocar, até, pois, até me fazeres sair, isso, até me fazeres sair da cama, e eu, eu, eu lá fui, a dormir ainda, em pé, a dormir ainda, e tu, a tocar, a tocar, a tocar, sim, pois, e eu, eu, eu lá fui,

não sei que horas são, três, quatro, cinco, seis, de noite, não sei que horas são, não, e tu, tu, tu a tocar, a tocar, a tocar, sim, tu, e eu, eu, não sei que horas são, a campainha, a campainha, eu, eu a dormir, sim, a dormir em pé, e tu, tu lá, a tocar, e eu, eu, pois, eu a dormir em pé, sim, a ir lá, lá, lá à porta, e tu, tu, tu a tocar, e eu, eu, eu não sei que horas são.

1 comentário:

F. Lopez disse...

Não sei que horas são também, não sei se já lhe disse que adoro a maneira com que escreve, não sei de mais nada.